A Trans Serrano leva-o onde mais ninguém o leva!

logo Trans Serranologo Trans Serrano

Trans Serrano

Formação e Serviços na Natureza, Lda

Percursos pedestres guiados

ARGANIL

Piódão: terra do fim do mundo (Serra do Açor)Piódão_ 14_09_13 (40)

Piódão, terra das famosas quadrilhas como a de João Brandão e considerada “Aldeia Histórica” devido ao enquadramento da aldeia na paisagem, onde o xisto é o elemento predominante. Visita-se o modo como viviam os seus habitantes nos “tempos difíceis”, a natureza envolvente e um museu. O Piódão viveu isolado do mundo durante séculos… Ainda há poucos anos, o único acesso à “aldeia presépio” era um “caminho” de bois. Vamos passar por lá e conhecer as lendas e histórias mais encantadoras deste santuário da ruralidade portuguesa.

Tipo de percurso: circular. Início e final de percurso: aldeia de Piódão. Ponto de encontro: Piódão às 10h30m (junto ao posto de turismo). Extensão: 12km. Duração média: 5/6h. Época recomendada: Verão, Outono, Primavera (tempo seco) Declives: Moderados. Desnível: 210 metros (cota mínima: 470m; cota máxima: 680m). Preço: 12,5€/pax Dificuldade: Fácil/Média. CLASSIFICAÇÃO: **

Mais informação

Nas Encostas da Mata da Margaraça (Serra do Açor)

Percurso botânico e de interpretação da ocupação humana deste santuário natural. Inclui visita ao centro de interpretação da reserva, à casa da Eira, onde se encontra um museu sobre as actividades económicas tradicionais, visita ao forno de refugo (utilizado no processo de fabrico da cestaria tradicional) e ao moinho da Quinta. Na aldeia de Pardieiros, pode-se assistir à produção artesanal das colheres de pau. Ainda se irá visitar a Fraga da Pena (a mais emblemática queda de água da região). A Mata da Margaraça é considerada o último reduto da floresta nativa que cobriu toda a região da Beira Serra, formada maioritariamente por carvalhos e castanheiros, mas está também bem representada por vestígios da antiga floresta de Laurisilva que dominou o país antes do período glaciar.

Tipo de percurso: circular. Início e final de percurso: Pardieiros. Ponto de encontro: 10h/Pardieiros. Extensão: cerca de 8km. Duração média: 5h. Época recomendada: Verão, Outono, Primavera(tempo seco). Declives: Moderados. Desnível: 380 metros (cota mínima – 390m; cota máxima – 770m). Preço: 12,5€/pax. Dificuldade: Fácil/Média. CLASSIFICAÇÃO: *

Mais informação

Rota das Tradições do Xisto (Góis)

Percorrendo as Aldeias do Xisto da Serra da Lousã no concelho de Góis Aigra Nova, Aigra Velha, Comareira e Pena, com a companhia dos imponentes Penedos de Góis. O percurso passa por um conjunto de aldeias vivas do concelho de Góis onde os participantes podem desfrutar de características e tradições únicas do território do xisto: alambique, eira, forno e moinho comunitários, hortas e culturas serranas, visita à uma exploração de cabras, soutos, cozinhas e caniços tradicionais, gateiras, pocilga do porco, produtor artesanal de mel da Serra da Lousã. Momento único será a visita à aldeia de Aigra Velha que ainda dispõe de um sistema defensivo apenas visto nas aldeias e vilas medievais mais antigas do nosso país e a visita aos fósseis marinhos existentes no Penedo de Góis. Com alguma probabilidade será possível avistar uma rapina ou uma manada de veados neste percurso.

Tipo de percurso: Circular. Início e Final do percurso: Aigra Nova. Ponto de encontro: 9h30/Aigra Nova, na Loja do Xisto. Extensão: 9km. Duração média: 4/5h. Época recomendada: Verão, Outono, Primavera (tempo seco). Declives: Moderados. Preço: 10€/pax. Dificuldade: Média. CLASSIFICAÇÃO: **

Mais informação

 

Rota das Aldeias do Xisto (Lousã)

Percurso com cerca de 10 Km, circular, com declives acentuados e de médio grau de dificuldade. O piso é em certos locais irregular. É conveniente ter alguma resistência física. Inclui visita às aldeias serranas do Talasnal, Vaqueirinho, Chiqueiro e Casal Novo, com passagem por locais de rara beleza, como a levada de água, soutos centenários, Ermidas de Nª Sra. da Piedade, Central Hidroeléctrica da Ermida, etc.

Tipo de percurso: Circular. Início e final de percurso: Castelo da Lousã. Ponto de encontro: 10h /Castelo da Lousã. Extensão: 10km. Duração média: 6h. Época recomendada: Verão, Outono, Primavera, desde que o tempo esteja seco. Declives: Moderados/Acentuados. Desnível: 445m (cota mínima: 265m; máxima: 710m). Preço: 10€/pax. Dificuldade: Média. CLASSIFICAÇÃO: **+

Mais informação

Garganta de Loriga – Serra da Estrela

Caminhada de eleição na Serra da Estrela. Em zona montanhosa e inóspita, faremos a descida desta Serra, desde o ponto mais alto, a Torre, até à povoação de Loriga, ao longo do vale glaciar com o mesmo nome. A paisagem é marcada por uma paisagem irregular e rochosa, formada por lagoas, vales e covões glaciares.

Tipo de percurso: Linear Início e final do percurso: Torre/Loriga Ponto de encontro: 10h/Torre. Extensão: 12 km. Duração média: 6h. Épocas recomendadas: Primavera/Outono. Declives: Muito Acentuado. Desnível: 1163m (ao longo de 12km a descer) – (cota mínima – 830m; cota máxima – 1993m). Preço: 20€/pax. Dificuldade: Média/Elevada. CLASSIFICAÇÃO: **

Mais informação

Planalto Central – Serra da Estrela

Percurso pedestre guiado no Planalto Central da Serra da Estrela entre as Penhas Douradas e a Torre com 18km. Este percurso é um dos mais espectaculares da Serra da Estrela devido às maravilhosas paisagens dos Cântaros (Magro, Gordo e Raso), assim como os Lagos Glaciares, culminando com a ascensão ao ponto mais alto desta Serra, a Torre (1993m), pelo Planalto Superior. A envolvente e a própria natureza são fantásticas, marcadas pela paisagem granítica, pela vegetação rasteira e fauna típica de altitude.

Tipo de percurso: Linear Início e final do percurso: Torre Ponto de encontro: 9h/Torre. Extensão: 18 km. Duração média: 6h/7h. Épocas recomendadas: Primavera/Verão/Outono. Declives: Moderados. Preço: 20€/pax. Dificuldade: Média/Elevada. CLASSIFICAÇÃO: **

Mais informação

Vale Glaciar – Serra da Estrela

Percurso pedestre guiado no Vale Glaciar do rio Zêzere em pleno coração da Serra da Estrela. O percurso pode ser feito de forma circular, começando em Manteigas, subindo o vale glaciar ate ao Covão d’Ametade e regressando pelo vale da Candeeira, até Manteigas ou numa versão linear e mais curta fazendo apenas o vale glaciar, junto ao rio Zêzere, variando desde os 18km aos 10km. É conveniente ter boa resistência física. Época recomendada: primavera, verão e outono. Os declives são moderadas. Dificuldade: Média.

Ponto de encontro: 9h no Inatel de Manteigas (Manteigas).  Duração média: (variável com o percurso): circular (18km – 6/7h) ou linear (10km – 3h). Épocas recomendadas: Primavera/Verão/Outono. Declives: Moderados. Preço: 20€/pax. Dificuldade: Média. CLASSIFICAÇÃO: **

Mais informação

Recomendações

Deve levar água e um almoço volante leve (à base de sandes e fruta). Recomenda-se vestuário e calçado adequado às condições climatéricas presentes em cada época do ano, nomeadamente: roupa leve, térmica e transpirável, um impermeável/corta-vento e botas de montanha confortáveis, chapéu para proteger do sol e calças que permitam a liberdade de movimentos.

Classificação da dificuldade

* Caminhada pouco extensa e com declives suaves.
** Caminhada mais longa e/ou com declives moderados.
*** Marcha de Montanha. Requer preparação e condição física. Caminhada longa com declives acentuados.
**** Marcha de Montanha com condições climatéricas difíceis (clima invernal) e/ou com passagens técnicas recorrendo a equipamento de escalada. Requer preparação física, técnica e equipamento.

9h no Inatel de Manteigas (Manteigas).

Trans Serrano, Lda

| RNAAT_24 | RNAVT_3925 | Website Design: Alva Design. Powered by WordPress.